"O CORAÇÃO ALEGRE É BOM REMÉDIO, MAS O ESPÍRITO ABATIDO FAZ SECAR OS OSSOS. Pv:17.22;

sábado, 11 de janeiro de 2014

MICROCALCIFICAÇÕES NA MAMA

É muito comum que após certa idade as mulheres apresentem, quando vão fazer o exame de mamografia, microcalcificações na mama. Elas aparecem naturalmente, são fisiológicas e não podem ser evitadas. São pequenos cristais de cálcio que se depositam em várias partes do corpo, inclusive na mama. A maioria das mulheres viverá com esses cristais normalmente, sem dores ou desconfortos.
Quem nos explica isso é o Dr. Francisco Pimentel, mastologista do Hospital Geral de Fortaleza(HGF). Ele ressalta que o problema é quando aquelas calcificações apresentam certas características que podem evoluir para um câncer de mama. “As calcificações que nos fazem suspeitar de malignidade são: quando estão agrupadas, quando apresentam densidade elevada, quando possuem nesse agrupamento formatos e tamanhos diferentes”, cita o Dr. Francisco.

Outro especialista, o mastologista José Luís Pedrini, da Sociedade Brasileira de Mastologia(SBM), afirma que somente a mamografia pode acusar as microcalcificações e definir sua classificação, que vai de um a cinco. “Um e 2 é completamente benigno; 3 recomenda-se fazer um outro exame em 6 meses; quando é 4 ou 5 pode-se para fazer uma biopsia”, explica o Dr. José Luís. A mamografia é a única forma de detectar lesões pré-malignas não palpáveis da mama.

Deve-se fazer a biopsia sempre que exista a suspeita de as microcalcificações serem malignas. “Apesar de na maioria das vezes serem benignas, não devem ser subestimadas, pois o câncer de mama pode se manifestar inicialmente como microcalcificações”, lembra o Dr. Francisco Pimentel, do HGF. A pesquisa Estimativa 2014 – Incidência de Câncer no Brasil, divulgada pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima em 57 mil o número de mulheres que terão câncer de mama em 2014. Quando descoberto ainda no início, como no caso da microcalcificação, a possibilidade de cura é próxima a 100%.

Por isso, a mamografia é tão importante. Só nos últimos três anos, o Ministério da Saúde, juntamente com estados e municípios, ampliou em 25% a realização de mamografias para o público geral e em 30% no grupo prioritário – de 50 a 69 anos. Os procedimentos somaram 2,3 milhões no ano passado, contra 1,7 milhão em 2010. No total, o número de exames realizados em 2012 atingiu a marca de 4,4 milhões, representando um crescimento de 25,4% em relação a 2010 (3,5 milhões).


Lucas Pordeus Leon / Blog da Saúde

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.